#desastre natural #estudos #tsunami #ondas grandes #fenômenos naturais 
Kauai Costa Norte - Hawaii - Estados Unidos

Evidências de um Tsunami Monstro Encontradas em Kauai

Laura Geggel, LiveScience

O novo estudo levou as autoridades do Hawaii a revisarem os mapas de evacuação para alguns moradores havaianos.

Um forte terremoto no Alasca enviado imponentes ondas de até 9 metros de altura, que atingiram o Havaí a cerca de 500 anos atrás, deixou para trás fragmentos de coral, conchas de moluscos e de areia grossa de praia em um buraco localizado na ilha de Kauai, segundo uma nova pesquisa. 

O terremoto, provavelmente um de magnitude 9,0, enviou as poderosas ondas em direção ao Havaí em algum momento entre 1425 e 1665, segundo o estudo. É possível que outro grande terremoto no Alasca possa desencadear um tsunami comparável em praias do Havaí no futuro, dizem os especialistas.

O tsunami foi pelo menos três vezes o tamanho do tsunami registrado em 1946, que foi impulsionado por um terremoto de magnitude 8,6 ao largo das ilhas Aleutas. Tsunamis gigantescos, como o descrito no estudo, são raros, e provavelmente acontecem uma vez a cada mil anos. Há uma chance de 0,1 por cento que possa acontecer em um determinado ano, a mesma probabilidade que havia no nordeste do Japão para o terremoto de 9,0 de magnitude de 2011 de Tohoku e o tsunami relacionado, disse Gerald Fryer, geofísico do Centro de Tsunami do Pacífico em Ewa Beach, Hawaii, que não esteve envolvido no estudo.

 

Os resultados do estudo já levou os funcionários de Honolulu a rever os seus mapas de evacuação de tsunami, disse Fryer. Os novos mapas, o que afetarão cerca de 1 milhão de pessoas que vivem no município de Honolulu, incluem mais de duas vezes a área de evacuação em alguns locais, disse Fryer em um comunicado. Funcionários municipais esperam distribuir os novos mapas até o final de 2014, disse Fryer. 


"Acontecerão grandes terremotos no planeta Terra, e vão ter grandes tsunamis", disse o principal pesquisador do estudo, Rhett Butler, um geofísico da Universidade do Havaí em Manoa. "As pessoas têm que, pelo menos, reconhecer que a possibilidade existe." 

 

As provas do tsunami colossal vieram à tona no final de 1990, durante a escavação do buraco Makauwahi, uma caverna de calcário colapsada na costa sul de Kauai. A cerca de 2 metros abaixo da superfície, o pesquisador David Burney encontrou uma conjunto de detritos antigos que devem ter vindo do oceano. 

 

Curiosamente, a boca do sumidouro está a 100 m de distância da costa atual, e 7 m acima do nível do mar, o que sugere as enormes quantidades de corais e conchas foram, provavelmente, levadas para lá por uma onda gigantesca, Burney, paleo ecologista no Jardim botânico Tropical Nacional em Kalaheo, afirmou. Mas ele precisava de mais provas para sustentar sua alegação. 

 

Onda de tsunami

Os detritos permaneceram um mistério até que o terremoto de Tohoku de 2011 atingiu o Japão. O terremoto provocou uma onda rápida que ficou a 39 m acima do nível do mar e esmurrou a costa japonesa. Logo depois, os pesquisadores revisitaram os mapas de evacuação de tsunami do Havaí. Os mapas são em grande parte com base no tsunami de 1946, que fez com que a água subisse 2,5 m até o lado do sumidouro Makauwahi. 

 

"O terremoto no Japão foi maior do que quase qualquer sismólogo pensou ser possível", disse Butler. "Vendo ao vivo na TV a devastação que causou, comecei a me perguntar, será que poderia bater direito no Havaí? Estão as nossas zonas de evacuação no tamanho correto?" 

 

Butler e seus colegas reuniram um modelo de ondas para prever como um tsunami poderia inundar o litoral de Kauai. Eles simularam terremotos que variam entre as magnitudes 9,0 e 9,6 ao longo da zona de subducção Aleutas no Alasca, na fossa oceânica de 3.400 quilômetros de extensão, onde a placa tectônica do Pacífico desliza para baixo da placa norte-americana. 

 

No rescaldo de um grande terremoto, a geografia distinta da Aleutas do leste "poderia enviar um grande tsunami para o Havaí, os pesquisadores descobriram. Na verdade, um terremoto de 9,0 pontos na magnitude no ponto correto poderia enviar níveis de água que atigiriam facilmente 8 a 9 metros de altura em Kauai, levando detritos para o sumidouro Makauwahi, eles descobriram.

 

Os pesquisadores também analisaram evidências de tsunamis em outros lugares. A datação por radiocarbono revelaram que os depósitos marinhos no sumidouro, na ilha de Sedanka ao largo da costa do Alasca e ao longo das costas oeste do Canadá e dos Estados Unidos remontam ao mesmo período de tempo, e poderiam ter vindo do mesmo tsunami. 

 

"Os pesquisadores juntaram as provas geológicas, informações antropológicas, bem como modelagem geofísica para montar essa história que é tentadora para um geólogo, mas é assustadora para as pessoas no Havaí," falou Robert Witter, um geólogo da Pesquisa Geológica dos EUA em Anchorage, no Alaska, que não estava envolvido no estudo, em um comunicado. 

 

Mais evidências são necessárias para determinar se os depósitos vieram da mesma tsunami, disse Witter. Por exemplo, a datação por radiocarbono, que os pesquisadores do estudo usaram, só dá uma estimativa de tempo grosseiro. É possível que vários tsunamis entre 350 e 575 anos atrás tenham depositado os detritos nos três locais, disse ele. 

 

Mas os detritos sumidouro podem ser prova suficiente de que um enorme tsunami atingiu o Havaí há centenas de anos, acrescentou. "Um importante coisa a fazer em seguida é procurar evidências de tsunamis em outras partes das ilhas da cadeia havaiana", disse Witter. 

 

Os pesquisadores provavelmente irão encontrar mais evidências do tsunami gigante, Fryer acrescentou. "Eu vi o depósito", disse Fryer. "Estou absolutamente convencido de que é um tsunami, e que tinha que ser um tsunami monstro." 

 

O estudo foi publicado em 03 de outubro na revista Geophysical Research Letters

 

Originalmente publicado em LiveScience

Traduzido de MNN.com

Comentários

Galerias | Mais Galerias